Hospital realiza sua primeira correção de dissecção aórtica

Cardiologia

Tubo de Dacron

A história do SinoBrasileiro , ganhou em outubro mais um capítulo inédito. No dia 16, após 6 horas de cirurgia, a equipe do cirurgião cardiovascular Elcio Pires Jr., coordenador dos Serviços de Cirurgia Cardiovascular, Cardiologia e Terapia Intensiva, realizou pela primeira vez no hospital uma correção de dissecção aórtica. A paciente foi uma senhora de 83 anos, que recebeu alta hospitalar cerca de 15 dias após a operação. “Além do pioneirismo da intervenção, cabe ressaltar a gravidade da doença, a idade da paciente e o sucesso obtido, pois a senhora, que mora próximo ao hospital, foi embora a pé para casa, depois de receber alta”, explica o médico.

 

A estrutura hospitalar e a qualidade da equipe médica foram determinantes para esse sucesso. Quando chegou ao hospital, a paciente queixava-se de dor abdominal, náusea e vômito, o que não é característico da dissecção aórtica. Se há ruptura do vaso, normalmente o paciente sente uma dor torácica abrupta e, à medida que ocorre a dissecção, a dor percorre o corpo, principalmente as costas e a região abdominal. A dor pode inclusive ser confundida com infarto. Diante da queixa, o hospital realizou uma tomografia abdominal contrastada, que permitiu identificar a dissecção e iniciar um estudo completo, que deu base para a cirurgia.

 

Caso de urgência

 

A cirurgia realizada no SinoBrasileiro foi uma dissecção do tipo A, ou seja, descreve o arco que vai da região ascendente da aorta, próxima do coração, até a porção descendente (cajado). Fatores como idade da paciente e gravidade da patologia aumentavam os riscos da intervenção, mas o caso foi considerado urgente. “Não existia alternativa a não ser a cirurgia. Havia sim outras técnicas, mas optei pelo caminho mais

rápido e com maior probabilidade de sucesso”, observa o médico. “O que fizemos, e é preconizado fazer, foi tirá-la da fase de urgência. Trocamos a porção ascendente delaminada por um material chamado dacron, que é uma mistura de tecido com plástico. A solução se mostrou correta. No estudo pós-cirúrgico, a paciente já apresentava quase 80% da luz falsa trombosada.” Segundo o médico, a dissecção em atividade ainda representa 20%, mas a paciente está recebendo acompanhamento clínico.

Devido à urgência e à extensão da cirurgia, um aspecto importante foi a necessidade de realizar na paciente, por 32 minutos, uma hipotermia profunda acompanhada de parada circulatória total. O cirurgião abaixou a temperatura da paciente até 25ºC, para fazer o metabolismo cair, principalmente o cerebral, e fez uma perfusão cerebral seletiva, parando a circulação sanguínea no restante do corpo. “É semelhante a uma hibernação. Depois disso, volta-se a circulação e o coração bate de novo. Não é algo que eu gostaria de fazer, mas foi necessário”, diz.

 

A correção de dissecção da aorta é um procedimento realizado apenas em grandes centros médicos especializados em cardiologia.

 

Para realizá-la no SinoBrasileiro, o dr. Elcio contou com sua equipe, formada por mais um cirurgião cardíaco, um anestesista e um perfusionista, todos especializados, e com uma estrutura médico-hospitalar completa. “Além da expertise de minha equipe cirúrgica, a estrutura

do SinoBrasileiro,com

cardiologistas,hemo-

dinamicista,equipe

de diagnóstico e

grade da UTI, per-

mite a realização

de uma operação

como esta”, explica.

Dr. Elcio Pires Jr.

Radiografia digital direta

Tecnologia

“Além da expertise da equipe cirúrgica, a estrutura do SinoBrasileiro, com cardiologistas,hemodinamicista, equipe de diagnóstico e grade da UTI, permite a realização de uma operação como esta.”

Maior velocidade nos exames, alta qualidade de imagem e potencial redução de exposição do paciente à radiação. Estes são os principais benefícios que o SinoBrasileiro oferece aos pacientes que realizam exames de raio-x no hospital, principalmente àqueles atendidos pelo Pronto Socorro e que aguardam atendimento de emergência. O elevado padrão de qualidade e segurança se deve a uma equipe altamente qualificada e ao novo Retrofit DX-D 30C, que transforma os aparelhos convencionais em raios-x digitais.

 

A conversão do exame para o formato digital torna o fluxo do serviço mais rápido e eficiente. A agilidade que o equipamento proporciona ao diagnóstico foi um dos motivadores para a aquisição do equipamento, segundo o médico radiologista Ko Chia Yin, diretor de Tecnologia e Diagnóstico do SinoBrasileiro. O médico ressalta o avanço constante da ciência voltada aos diagnósticos. “Embora o princípio do raio-x se mantenha o mesmo, a nova tecnologia permite o arquivamento e a distribuição das imagens, do

hospital  e até em um local mais remoto”, afirma.

 

O equipamento, produzido pela Agfa HealthCare, empresa que atua há 146 anos no mercado de soluções para redes de saúde, foi adquirido pelo SinoBrasileiro em setembro de 2014 e já está em operação. O investimento soma 100 mil dólares e coloca o hospital como o primeiro estabelecimento de saúde brasileiro a adquirir a tecnologia da radiografia digital padrão Agfa. O fato é celebrado pela empresa global, que divulgou a aquisição do SinoBrasileiro na última edição de sua revista “There”, veículo especializado e de circulação mundial, presente nos principais eventos da Agfa HealthCare pelo mundo.

 

A tecnologia presente no SinoBrasileiro é totalmente compatível com os sistemas de integração da Agfa HealthCare, possui detector de 35 x 43 cm, se adequando a qualquer bandeja bucky padrão, podendo ainda ser removida para proporcionar versatilidade para a realização dos exames.

 

Boas notícias

O SinoBrasileiro tem uma história recente, apenas 12 anos, mas repleta de avanços. E é um prazer compartilhá-los aqui com os leitores do Conexão Saúde. Nesta edição, que encerra 2014, os últimos acontecimentos indicam o início de uma nova fase. Começamos pela área médica. Nossa história ganhou em outubro mais um capítulo inédito. No dia 16, a equipe do cirurgião cardiovascular Elcio Pires Jr. realizou pela primeira vez no hospital uma correção de dissecção aórtica, cirurgia restrita aos grandes centros especializados em cardiologia. Outra conquista refere-se à aquisição do sistema Retrofit DX-D 30C, que transforma os aparelhos convencionais em raios-x digitais, o que coloca o  SinoBrasileiro como o primeiro hospital brasileiro a adotar esta tecnologia da Agfa HealthCare.

Na área administrativa, a edição destaca o Programa de Implementação do Plano Estratégico Empresarial, uma ação que visa promover uma maior interligação dos setores do hospital, apoiar o crescimento profissional dos líderes e modernizar a gestão da instituição. E ainda temos novidades em comunicação. Desde outubro, Conexão Saúde é também o nome do programa de televisão, transmitido pela TV Osasco, com orientações de médicos e especialistas do hospital sobre temas relacionados a saúde e bem estar em geral. O quadro, que leva o slogan “De  longe, o maior; de perto, o melhor”, tem duração de 5 minutos e é transmitido em horário nobre, todas as terças e quintas-feiras, no intervalo do Jornal Regional, às 19 horas.

 

 

 

Editorial

Para completar as boas notícias, vale lembrar que o hospital passa por reformas de ampliação e melhoria de sua estrutura. E uma das obras já é um convite para uma visita. Trata-se da recepção da Torre Norte, que ganhou um novo projeto arquitetônico e passa a oferecer mais segurança aos nossos pacientes e seus acompanhantes.

 

 

 

 

 

 

Dra. Ko Chia Lin

Superintendente Administrativa do SinoBrasileiro

Hospital e Maternidade

Planejamento estratégico

Bate-papo com

Dra. Ko Chia Lin

entre outros. A partir de parâmetros externos desses itens podemos nos posicionar como referência. Conexão Saúde - Quais foram as prioridades estratégicas adotadas em 2014?
Dra. Ko Chia Lin - Adotamos dois drivers básicos: lucratividade e comunicação. A partir desses dois aspectos desenhamos os objetivos estratégicos e os meios para atingi-los. Foi necessário desdobrar os temas para saber o quê e como fazer para melhorar a lucratividade e alcançar uma comunicação eficiente e eficaz. Isso com a participação de todos. Analisamos a qualidade, o mercado, o processo e o RH (recursos humanos).

“O maior diferencial do SinoBrasileiro em relação ao planejamento estratégico é ter uma equipe muito heterogênea. A preparação dos líderes é o primeiro passo para a profissionalização.”

Esse é o mapa estratégico. Em cima dele vimos as competências envolvidas. A partir daí definimos os projetos internos de melhoria, executados  pelos grupos de trabalho, e os indicadores de desempenho, que são monitorados. O mapa estratégico deu origem a nove projetos internos. Um deles é a capacitação em liderança e a contratação do consultor já é uma forma de capacitar nossos quadros. Temos ainda projetos de gestão de pessoas, expansão comercial, marketing, acreditação (o SinoBrasileiro possui certificação ONA Nível II e busca o Nível III), endomarketing, alta complexidade, tecnologia da informação, como o prontuário eletrônico e o raio-x digital, e a qualidade de faturamento. Esses são os projetos. No caso de indicadores, temos cerca de 60 itens.

 

Conexão Saúde - Qual é o papel da consultoria nesse processo?

Dra. Ko Chia Lin - O consultor não tem uma fórmula de sucesso. O papel dele é apenas guiar o grupo, pois quem conhece o negócio e deve pensar sobre ele somos nós mesmos. O consultor provoca a discussão até o ponto em que todos entendem o que é preciso fazer.

 

Conexão Saúde - Em termos de cenário, como o hospital enxerga o futuro?

Dra. Ko Chia Lin - O SinoBrasileiro é um hospital em crescimento. Ele está se preparando e investindo continuamente e a saúde é um bem necessário. Alguns indicadores já melhoraram depois que implantamos o planejamento estratégico. O planejamento dá oportunidade para que todos visualizem o que o hospital precisa.

 

Conexão Saúde - Quanto tempo o consultor permanecerá?

Dra. Ko Chia Lin - O planejamento é um processo para toda a vida. Mas o acompanhamento da consultoria deve ficar até 2015. Talvez, depois de quatro ou cinco anos, ele retorne para uma revisão de método ou reciclagem, pois as pessoas esquecem os conceitos e as equipes também mudam.

Com 12 anos e atuação em Osasco e região, o SinoBrasileiro é uma instituição que investe permanentemente em recursos humanos especializados e tecnologia hospitalar. A melhoria contínua é uma característica dos próprios empreendedores do hospital, que busca levar esse conceito para a gestão do negócio. Nesta entrevista, a dra. Ko Chia Lin, diretora geral do SinoBrasileiro, fala do Programa de Implementação do Plano Estratégico Empresarial, lançado em 2013, e do desafio de preparar os líderes internos.

 

Conexão Saúde - O SinoBrasileiro vive um momento de transformação do seu modelo de gestão. O que isso significa?

Dra. Ko Chia Lin - Em uma empresa familiar, o planejamento é feito pela diretoria e não é divulgado para os funcionários e colaboradores. O diretor simplesmente chama o gerente de um setor e passa a ele sua expectativa e sua meta para determinado período. Essa informação é tratada de forma individual, sem a interação das áreas, que desconhecem as metas umas das outras. Os líderes ou gerentes não enxergam o planejamento como um todo. Queremos mudar essa situação no SinoBrasileiro.

 

onexão Saúde - Que ações estão sendo tomadas nesse sentido?

Dra. Ko Chia Lin - Em outubro de 2013 decidimos implantar um programa de planejamento estratégico. A primeira medida foi a contratação de um consultor da área, o professor Heráclito Miranda, da empresa Actos Consultoria, de Belo Horizonte.

Isso foi necessário porque alguns gestores do hospital fizeram carreira sem uma base em administração.

 

Conexão Saúde - Então, o programa tem a função de fazer um alinhamento de conhecimento em gestão?

 

Dra. Ko Chia Lin - Queremos promover a interligação dos setores, mas, ao mesmo tempo, apoiar o crescimento profissional dos líderes, estimulando-os a pensar estrategicamente. É preciso respirar estratégia todos os dias. E isso é um desafio. Cheguei a dizer ao nosso consultor: “Você não deve estar acostumado a ter turmas tão heterogêneas como a nossa.” Porque é diferente ministrar aulas para alunos de MBA (Master of Business Administration) ou para um grupo de diretores in company. Ali todos têm a mesma bagagem e a mesma linguagem. O nosso caso é diferente. Por isso, no início do programa, tivemos um ou dois meses de aulas com ênfase em teoria, conceitos e cases, como um MBA. E a partir daí todos puderam entender onde gostaríamos de chegar.

 

Conexão Saúde - Quantas pessoas fazem parte da comissão de gestão?

Dra. Ko Chia Lin - Cerca de 15 pessoas com cargos de liderança.

 

Conexão Saúde - O grupo chegou a desenhar os cenários do segmento hospitalar?

Dra. Ko Chia Lin - A Tudo começa com a nossa visão de futuro. O SinoBrasileiro quer ser um hospital de referência na região Oeste de São Paulo. Para atingir esse objetivo, traçamos uma estratégia para os próximos quatro ou cinco anos. Olhamos para o macro-mercado, para ver as oportunidades e ameaças, e avaliamos nossas vantagens e pontos fracos.

 

Conexão Saúde - Mas o SinoBrasileiro já é uma referência, não?

Dra. Ko Chia Lin - Sim, mas é possível - e necessário - melhorar sempre. Ser uma referência é um conceito um pouco subjetivo. Somos uma referência regional, mas queremos expandir gradativamente, nos tornar mais conhecidos e melhores também.

 

Conexão Saúde - Considerando o planejamento estratégico, o que é exigido de cada setor?

Dra. Ko Chia Lin - Esta é uma questão complexa. Precisamos pensar todos juntos. Todo mundo planeja, mas executar não é tão simples. Entendo que as pessoas deixem de executar algo porque não entendem o que se espera delas ou não participam do planejamento. Desconhecimento e exclusão do processo são bons motivos para a pessoa não dar importância ao que foi projetado e deixar de executar as ações necessárias. Se o colaborador participa desde o início do planejamento é maior a chance de sucesso do plano.

 

Conexão Saúde - Quais são os indicadores adotados como referência para atingir os objetivos?

Dra. Ko Chia Lin - No caso de um hospital, são vários. Posso citar o número de atendimentos, a quantidade de cirurgias, a qualidade dos serviços o menor número de ocorrências de infecção hospitalar e de complicações cirúrgicas, menores taxas de reoperação e de reinternação,

Dra. Ko Chia Lin

Seja bem-vindo

Recepção

Um ambiente mais seguro, amplo e arejado. É isso o que os pacientes e seus acompanhantes encontrarão na entrada principal do SinoBrasileiro a partir de 2015. Em novembro, o hospital iniciou a reforma da recepção da Torre Norte, que dá acesso ao ambulatório, Centro Cirúrgico, UTI e diversas outras dependências. O projeto da arquiteta Célia Duarte Schahin, do escritório Duarte Schahin Arquitetura, substituiu os antigos revestimentos escuros de granito por piso de porcelanato, paredes pintadas e balcões de madeira, tudo muito claro e de fácil manutenção e limpeza, como requer o ambiente hospitalar.

 

Apesar da renovação estética, o principal ganho da reforma é o aumento da segurança, conforme explica o gerente comercial do SinoBrasileiro, Marcelo Taddeo. “A nova recepção contará com maior  controle de aces-

so para o interior do hospital. A restrição vai aumentar a proteção de funcionários e pacientes, principalmente parturientes e bebês da maternidade.”

 

A reforma compreende uma área de aproximadamente 400 metros quadrados e prevê um novo fluxo de circulação na entrada do prédio, de acordo com a coordenadora de projetos da Duarte Schahin, arquiteta Rosana Benetti da Costa. Pelo novo projeto, a recepção comportará um balcão de atendimento, onde os visitantes e pacientes passarão por identificação e pré-triagem. Depois disso, poderão cruzar a linha de catracas, munida de sistema de acesso controlado, e dirigir-se à área desejada ou retirar exames no balcão situado na própria recepção. A reforma da recepção faz parte das obras de renovação e ampliação do hospital, que inclui o Centro Cirúrgico.

Saúde em horário nobre

Comunicação

O SinoBrasileiro e a população de Osasco e região estão cada vez mais próximos. Em outubro estreou o programa de televisão “Conexão Saúde”, que transmite à população local orientações de médicos e especialistas sobre temas relacionados a saúde e bem estar em geral. Ele foi idealizado pela TV Osasco, emissora com programação via cabo e internet, e conta com a parceria do Hospital e Maternidade SinoBrasileiro, responsável pelo conteúdo do programa. O quadro, que leva o slogan “De longe, o maior; de perto, o melhor”, tem duração de 5 minutos e é transmitido em horário nobre,  todas as terças  e quintas-feiras, no intervalo do Jornal Regional, às 19 horas.

O programa de estreia do “Conexão Saúde” ocorreu no dia 21 de outubro e contou com participação do cirurgião cardiovascular Yeh Sun Chun, diretor clínico do SinoBrasileiro, que falou sobre o aumento da expectativa de vida da população mundial. Desde então, outros especialistas do hospital já estiveram à frente das câmeras para dar dicas e orientações sobre temas variados, como aleitamento materno, hiperplasia prostática benigna, RPG (reeducação postural global), acidentes na face e malefícios e benefícios do consumo de sal e açúcar, entre outros.

 

Criada em 2002, a TV Osasco alcança mais de 250 mil telespectadores na cidade de Osasco e

680 mil em toda Região coberta pela RGO (TV Regional Oeste) – Osasco, Carapicuíba, Jandira, Itapevi, Cotia, Vargem Grande Paulista, Itapecerica da Serra, Embu, Taboão da Serra, Barueri e Santana de Parnaíba. Ela é transmitida pelos canais: 3 da NET, 6 e 22 da Cabonet e pela TV Regional Oeste (RGO), além de veicular 24 horas de programação pelo portal www.tvosasco.com.br. Serviço: A proposição de temas do “Conexão Saúde” é aberta ao público e ao corpo clínico do SinoBrasileiro, que podem enviar sugestões à área de Marketing pelo email: comercial2@hmsb.com.br.

Voltar ao topo

ConexãoSaúde é uma publicação do SinoBrasileiro Hospital e Maternidade

 SinoBrasileiro Hospital e Maternidade © 2015. Todos os direitos reservados.